Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

Nunca se sabe... (parte 3)

Achei que podia começar.

- Posso pedir que seja descoberta a cura de doenças?

- Claro que não! Porque é um pedido altruísta. Não podes. E, além disso, temos protocolos da companhia com determinadas entidades. Portanto pedidos tipo finalistas de miss, esquece. Nada de erradicar fome, pobreza e afins. Os pedidos têm que ser egoístas.

- Ok. Quero uma moradia isolada, com dois pisos, garagem, 3 quartos, 4 wc's , sala com lareira, cozinha totalmente equipada e já mobilada. E garagem com um automóvel dentro. De preferência carrinha familiar.

- Mas tu sabes contar?! Isso são é mais de uma dúzia de desejos! Pedes uma coisa e depois sujeitas-te ao que há disponível em stock e às marcas com as quais temos acordos.

- Assim é impossível!

- Ok. Aqui para nós, porque estou bem disposto e hoje já atingi os objectivos. Depois de ti vou descansar. Queres mesmo alguma coisa?

- Ser feliz.

- Mas és de compreensão lenta! Achas que tenho felicidade, saúde ou amor em stock?!

- Quero um automóvel, mas quero o dos meus sonhos.

- Ai! Primeiro, nada de pedidos directos, segundo, é o que há em stock. Modelo económico de há 2 anos e sem garantia da marca.

- E pede-se como? Quero deixar de andar de transportes públicos?

- Tens que te despachar. Faltam 5 minutos para o fim do teu tempo!

- Não me falaste em tempo limite!!!

- Não perguntaste.

- Mas que raio de Génio és tu afinal?

- Génio corporativo ao serviço dos interesses da empresa! Qual é a tua dúvida?

- Mais valia que não existisses.

- Processando... Frase afirmativa. Desejo egoísta. Desejo indirecto de não me ter encontrado. Dentro do tempo limite. Desejo concedido. Acabou o tempo.

...

Acordei com areia na boca... Sensação que não aconselho. E este foi sem dúvida dos sonhos mais estranhos que já tive.

Etiquetas dos Egos: , ,
Egotismo de Sophia às 10:51

Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Nunca se sabe... (parte 2)

Já refeita, a bem da verdade, não me cheguei a refazer do susto e do espantoso da situação.

Mas, considero-me desenrascada e lá me controlei o melhor que pude.

- Vais conceder-me quantos desejos?

- Um mínimo de 2 e um máximo de 4. Tu decides.

- E quais são as condições?

- Em traços gerais é só uma. Não podes pedir nada do que verdadeiramente queres directamente.

- Hein?

- Dou um exemplo, seu quiseres dinheiro, tens que escolher ter uma profissão ou ocupação rentável.

- Ok. É se pedir directamente?

- Perdes dois desejos. Esse e mais um de penalização. Queres começar?

E neste momento percebi que não sabia por onde começar. Sabia que queria dinheiro, há coisas que são incontornáveis. Sabia que precisava de pedir saúde para umas quantas pessoas e sorte para outras tantas. Mas não queria errar ! Lembrei-me da brochura e das condições gerais.

- Posso ver os papéis que me falaste no início?

- Claro!

Deu-me uma folha A4 onde se lia "Peça até 4 desejos!" "Torne a sua vida no que sempre sonhou" "Se não ficar satisfeito, concedemos-lhe um desejo final!". Tinha umas imagens de sítios paradisíacos, bons automóveis, casas e só.

Pedi as condições gerais. Fiquei nas mãos com um manual que tinha o tamanho de uma lista telefónica de Lisboa. Abri e não me espantei de ver letras que necessitavam de lupa para decifrar.

- Esperas que eu leia isto tudo?

- Claro que não, só mesmo a brochura! Isso podes ler depois! Não é nada importante! Mas despacha-te. Não tenho o dia todo.

 

Etiquetas dos Egos: , ,
Egotismo de Sophia às 11:07

Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Nunca se sabe... (parte 1)

É-me acessível passear na praia. Agora que as praias estão mais vazias, gosto mais.

Gosto de ouvir o barulho das ondas no silêncio do mar. Ver as minhas pegadas na areia. Sentar-me e contemplar o mar.

Num destes passeios tropecei. Estava descalça, ainda disse umas quantas palavras menos próprias. Mas logo parei de praguejar. Esfreguei os olhos. Tropecei numa lâmpada... Sim. Daquelas de que só tinha ouvido falar na história do Aladino. Foi mais forte que eu. Baixei-me e apanhei-a. Certifiquei-me que ninguém estava a ver. Instintivamente, esfreguei. Uma, duas, três, quatro vezes e nada... Ri-me da minha tolice. Peguei na asa e já me preparava para a ir deitar num caixote...

- Eh! Espera aí! Ah! Uma mulher... Impaciente tu!

Caí na areia estupefacta. De olhos esbugalhados, percebia o ridículo da cena. Eu sentada na areia. A lâmpada ali um metro mais ao lado, caída. E uma criatura suspensa no ar a falar-me assim. Belisquei-me. Olhei, novamente, em volta. Não estava ninguém na praia.

- Sim? Sou o Génio da Lâmpada. Vou conceder-te desejos. E depois tens que atirar a lâmpada ao mar. Certo? Sabes o que pedir ou queres dar uma vista de olhos na brochura e condições gerais?

Eu ainda estava presa ao ridículo. Não conseguia fazer-me articular palavra perante uma criatura que estava envolta em nevoeiro, pouco denso é certo, mas flutuava, vestida de fato e gravata, com uma pasta na mão e uns papéis na outra. Mas esforcei-me.

- Vamos por partes. Ponto 1, isto não é um sonho?

- Não! Como podes duvidar da minha existência se me vês?

- Não vás por aí. Vejo muita coisa na qual não acredito. Ponto 2, és um Génio e vais conceder-me desejos a troco de nada?

- Eu disse que te concedia desejos. A troco de nada, já foste tu a acrescentar!

- Ok. E dizes tu que posso ver uma brochura. E, já agora, desculpa lá, mas de fato??? Então e o figurino típico das histórias?!

- Não sejas ridícula! Esses génios só existem nas historietas de encantar. São uma vergonha para a nossa classe e só causam mal-entendidos quando aparecemos.

Claro que me senti muito menos ridícula depois disto!

 

Etiquetas dos Egos: , ,
Egotismo de Sophia às 12:45

Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

De novo a ligar...

Há dois anos, aliás, foi há mais de dois anos que liguei para o Olimpo. Foi complicado, mas lá me deixei de pruridos e fiz o meu pedido.

Antes tinha tentado e falhado. Acho que me atrapalhava. Ou isso, ou me enganei mesmo no que pedi!

Mas aquela secretária foi muito simpática. Talvez por isso me tenha sentido mais confortável para pedir tudo direitinho. E pedi...

Acho que a simpatia foi recíproca e ela "meteu uma cunha" à Deusa Afrodite. Demorar, demorou. Mas a 'encomenda' veio melhor que o pedido!

Já passou algum tempo... inclusive o tempo para reclamar... Mas decidi que estava na altura de voltar a ligar.

Demoraram mais tempo a atender do que da outra vez... Ouvi barulhos de linhas cruzadas, acho... Estava quase a desligar...

- Olimpo call center, bom dia, com que Deus deseja falar?

- Olá! Fala a Sophia. Eu liguei para aí há uns dois anos e tal... Acho que foi consigo que falei, deixei aí o meu pedido gravado. Lembra-se?

- Ah! A insistente!

Lembro-me do seu caso. A que optou por deixar o pedido aqui. De novo a ligar... há algum problema?

- Não, pelo contrário! Queria só agradecer-lhe. Anotou tudo e até bem demais. Acho que não pedi tanto. Fui surpreendida. A senhora falou com a Deusa?

- Hum... pode dizer-se que sim. Sabe, aqui temos um arquivo com todos os pedidos e resultados. Ficámos todos impressionados com o facto de ter deixado o seu pedido logo aqui. Até hoje, continua a ser a única.

Eu fui ver o seu processo... A menina não teve sorte... e algumas vezes não teve juízo!

Não pude deixar de concordar, mentalmente.

- Li o seu pedido e fiz algumas alterações. Desta vez não a ia deixar queixar-se da sorte. Pelo que tenho visto... hummm... acho que acertei!

Momento de silêncio... no qual procuro sair daquele embaraço... como pelo que tem visto?...

Ela leu-me os pensamentos.

- Não fique assim! Os mortais têm TV por cabo e por satélite, nós temos ligação directa às vossas vidas! É justo, não acha?!

Fiquei com a impressão que era uma pergunta retórica. Mantive o silêncio. Seria um erro prolongar aquela conversa seguindo aquela linha.

- Eu só liguei mesmo para agradecer. Espero não ter que voltar a ligar...

- Vou contar-lhe um segredo. Talvez não volte. Acredite que eu sei o que fiz. Adeus Sophia.

Pousei o telefone. E só então percebi com quem tinha falado...

Etiquetas dos Egos: ,
Egotismo de Sophia às 10:56

Entretanto no Olimpo

- Deusa Afrodite, posso?

- Diga Servilia.

- Pediu-me para a avisar se a Sophia voltasse a ligar. Está recordada?

- Eu sou uma Deusa. Não me esqueço. Ela está em linha?

- Está à espera que alguém a atenda.

- Óptimo. Então deixe-me atendê-la. Estou curiosa para saber o quer desta vez. Já há algum tempo que não sintonizo o canal da vida dela.

...

...

...

- Servilia, a Sophia queria agradecer-lhe por ter anotado tão bem o pedido.

- Mas a Deusa é que fez as alterações.

- Eu disse-lhe. Mas só no fim é que percebeu que esteve a falar comigo.

Vamos deixar de sintonizar a vida dela. Acho que, pelo menos, por agora, não é mais motivo de preocupação neste departamento.

- Mas Deusa, podemos sintonizar de vez em quando, não podemos?

- Eu bem lhe disse. Os mortais têm as novelas deles, nós temos as nossas!

Etiquetas dos Egos: ,
Egotismo de Sophia às 10:52

Ego sum

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Egos recentes

Nunca se sabe... (parte 3...

Nunca se sabe... (parte 2...

Nunca se sabe... (parte 1...

De novo a ligar...

Entretanto no Olimpo

Egos passados

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Etiquetas dos Egos

todas as tags

Passear pelo Egos

 

Outros Egos

Som no Egos

Feeds do Egos

Prémios do Egos

Por Ly de 'Divino Senão Fosse Humano'

 

Por Diogo Ribeiro de 'O Meu Nada'

 

 

Por Ly de 'Divino Senão Fosse Humano'

 

Egos que referem o Egos

Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!
blogs SAPO